É sempre uma boa lembrança de infância quando descobrimos o “eco”. É aquela surpresa estranha de você falar e logo depois ouvir a sua mesma voz, falando a mesma coisa.  Foi uma sensação parecida que tive hoje ao ver a repercussão do primeiro post do Blog Comunicavale, onde expliquei um pouco sobre a migração deste veículo de comunicação para algo mais pessoal.

E não foi a intenção, como disse em uma mensagem no Facebook: o Comunicavale não é causa, é consequência. Não existe portanto algum eco sem um barulho inicial.

O primeiro eco veio de um post do Josué Brazil, professor da Unitau, e formador de boa parte do mercado publicitário regional. Já disse em público que eu adoraria ter tido aula com ele. Em sue texto o Josué traça uma excelente contextualização de mercado com o último anúncio que fiz aqui no Comunicavale.

O publicitário Marushio fez um post no Facebook e marcou praticamente todos os dirigentes de agências regionais. Até o presente momento as conclusões da discussão apontam para uma reunião no começo do ano que vem.

E uma das características do Eco é ele se retroalimentar. Eco… Eco… Eco… até perder forças.

Resta saber até onde este eco irá…

PS: Estamos em época de final de ano, onde normalmente acontecem as festas de veículos. Um bom momento para todos se encontrarem pessoalmente e discutirem os problemas apresentados ou será que todo mundo nem vai tocar no assunto?

Leia também  Gasto anual das famílias brasileiras com artigos têxteis ultrapassa R$ 100 bilhões