Um dos principais blogs de negócios e tecnologia do país

Watson faz bico de guia na Pinacoteca e conta até segredos das artes

0 89

Outro dia estava prestando atenção numa reportagem e vi que crianças estavam conversando com obras de arte e até perguntando para a obra de arte “O Porco” (de Nelson Leirner 1967) se ele era palmeirense, vejam vocês. E aí quando vi o esquema rolando, apesar da reportagem não falar, saquei que era o Watson e aí falei com o pessoal da IBM que gentilmente me mandou essa material que você lê abaixo. A foto no destaque é do fotógrafo Bruno Favery.

Você verá que além da inteligência artificial foram usados beacons e os visitantes podem fazer as perguntas mais inusitadas e até pedir curiosidades que o Watson – apoiado por um a equipe de curadores da Pinacoteca – irá se esforçar para responder. Tá mais explicado no texto a seguir.

E ahh não deixe de conferir o vídeo abaixo que é bem bacana e no final do texto tem mais informações para você visitar as obras e ver, ou melhor, falar com o Watson enquanto ele faz bico de guia na Pinacoteca.

UPDATE: O Mauro Segura da IBM deu uma passada por aqui nos comentários e deixou essa dica de vídeo explicando mais sobre o funcionamento do Watson na Pinacoteca.

 

A voz da arte

No ano em que comemora seu centenário no País, a IBM Brasil realiza na Pinacoteca de São Paulo o projeto ‘A Voz da Arte’, que usa a computação cognitiva para tornar o passeio ao museu ainda mais interativo e personalizado. A companhia criou um assistente cognitivo que responde perguntas dos visitantes sobre sete obras de arte do acervo da Pina. A visita guiada com a tecnologia IBM Watson será aberta ao público a partir desta quarta-feira, dia 5 de abril. A iniciativa é inédita no Brasil.

Leia também  Time de robótica de São José dos Campos participa do BIG Festival 2016

Segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) realizado em 2010, 70% dos brasileiros nunca foram a um museu ou a um centro cultural. O projeto pretende utilizar a computação cognitiva como uma importante ferramenta para proporcionar aos visitantes uma experiência diferente no contato com as obras selecionadas, buscando contribuir para o aumento do interesse dos brasileiros pela arte. A ideia é despertar a curiosidade do público sobre o que pode estar por trás das obras, estimulando as pessoas a conhecerem mais as peças e seu contexto histórico.

 

A visita com Watson é simples e intuitiva. Na chegada à Pinacoteca, o visitante receberá um smartphone com fone de ouvido e o aplicativo mobile do projeto ‘A Voz da Arte’ instalado no aparelho. Ao andar pelo museu, o público receberá notificações sobre a proximidade de obras interativas e será estimulado a fazer perguntas sobre a obra que estiver mais próxima. Toda a interação é realizada por áudio e voz, em português. Deficientes auditivos também podem participar da experiência por meio de conversa escrita (chat).

 

Para identificar que um visitante se aproxima das obras selecionadas, foram instalados sensores de Beacon – dispositivo bluetooth de geolocalização que permite interação pelo smartphone. Já o app é um chatbot cognitivo que utiliza sistema de voz e de entendimento da linguagem humana por meio de serviços de inteligência artificial da IBM, que estão na plataforma em nuvem IBM Bluemix.

 

Ao todo, o Watson responde perguntas sobre sete obras do acervo da Pina, são elas: Mestiço, de Cândido Portinari (1934); Saudade, de Almeida Junior (1899); Ventania, de Antonio Parreiras (1888); São Paulo, de Tarsila do Amaral (1924); O Porco, de Nelson Leirner (1967); Bananal, de Lasar Segall (1927); e Lindonéia, a Gioconda do subúrbio, de Rubens Gerchman (1966). O sistema foi desenvolvido pela IBM Brasil e treinado em parceria com curadores da Pinacoteca.

Leia também  TECNOLOGIAS AJUDAM A ENFRENTAR O ANO QUE SERÁ O MAIS QUENTE JÁ REGISTRADO

 

“Queremos que o visitante experimente uma nova forma de ir ao museu, interagindo com as peças de arte e esclarecendo suas principais dúvidas em tempo real. As curiosidades sobre as obras que selecionamos são inúmeras e conversar com elas é uma forma individualizada e estimulante de aprender. O objetivo final é que as pessoas terminem a visita entendendo um pouco mais sobre arte e com a experiência de que o museu é, sim, divertido”, afirma Fabiana Galetol, Executiva de comunicação externa da IBM Brasil.

 

“Em um mundo tão tecnológico, os museus não poderiam ficar para trás. A Pinacoteca está sempre se reinventando e criando estratégias para falar com seus públicos. A parceria entre a Pina e a IBM representa esse esforço, que resultou em uma ação inédita, interativa e acessível”, disse Paulo Vicelli, diretor de relações institucionais da Pinacoteca de São Paulo.

 

O projeto ‘A Voz da Arte’ foi desenhado pela IBM Brasil em conjunto com a Ogilvy e as equipes da Pinacoteca.

 

Sobre a Computação Cognitiva – A computação cognitiva é considerada a Terceira Era Computacional, cujo maior objetivo é aumentar a capacidade cognitiva do ser humano. Seus sistemas reproduzem com certa semelhança a forma humana de pensar, interagir e aprender, extraindo conhecimento de dados não-estruturados – com fontes e formatos distintos como textos, imagens e vídeos. Os insights gerados podem contribuir para a solução de problemas complexos da humanidade e das empresas.

 

O Watson é a plataforma cognitiva da IBM. No mundo, mais de 80 mil desenvolvedores já estão utilizando seus serviços na nuvem. A perspectiva da IBM é que 1 bilhão de pessoas tenham contato com a plataforma até 2018, sendo que 500 startups já construíram aplicações baseadas nessas soluções.

Leia também  Inteligência artificial de Watson ajudou Alex da Kid a criar a música “Not Easy”

 

Serviço

A Voz da Arte – IBM Watson

Estréia: 5 de abril –  a previsão é que a exposição guiada fique disponível por dois meses

Veja informações sobre preço e local aqui: http://pinacoteca.org.br/visite/pina_luz/

Com informações da Assessoria de Imprensa da IBM e a foto de Bruno Favery

watson faz bico de guia na pinacoteca e conta até segredos das artes - pinit fg en rect red 28 - Watson faz bico de guia na Pinacoteca e conta até segredos das artes

Deixe uma resposta