Um dos principais blogs de negócios e tecnologia do país

Influenciadores Digitais em 2018, anota aí: só vai aumentar

660

Influenciadores Digitais em 2018

Outro dia fui surpreendido com uma afirmação de que a tendência do marketing de influenciadores era dar uma acalmada e rolar uma espécie de seleção natural dos influenciadores digitais em 2018 separando o joio do trigo nessa seara.

Também fiquei sabendo que um empresário afirmou categoricamente num evento de marketing que esse negócio de influenciadores era mais uma modinha que já vai passar.

E sinto informar que ambas as afirmações estão redondamente enganadas. A seguir explico porque minha opinião é tão enfática.

Ahhhh isso aí é uma modinha.

Enquanto cada vez mais empresários fecham as portas no Brasil por outro lado cada vez mais pessoas conseguem sua voz e seu cantinho nas redes sociais. E muitos desses já conseguem ter um faturamento em cima disso.

Eu já ouvi essa história de que redes sociais “era moda passageira” das redes sociais há pelo menos cinco anos. E olha aí o Facebook, Instagram e Twitter esfregando na cara de todo mundo que tava errado. Olhando os números é mais fácil a empresa – que disse que rede social era modinha – ter fechado as portas do que as redes sociais terem passado. E não vale só colocar a culpa na crise econômica e política do Brasil. Historicamente somos um país de baixa cultura de gestão empresarial. A maioria das empresas ainda são familiares e as decisões tomadas muito mais com intuição e menos com ferramentas de tomada de decisão.

É claro que algumas redes ficaram no limbo: 4Square é um grande exemplo disso, mas outras estão aí firmes e fortes. E o grande erro na verdade é focar a tendência na tecnologia. As redes mudaram as pessoas e o jeito que elas consomem. Isso não é modinha. A sociedade mudou.

E o grande erro na verdade é focar a tendência na tecnologia

Essa resistência do empresário brasileiro em aceitar e entender as mudanças é o que faz que nós estejamos pelo menos 5 anos atrasados em relação ao resto do mundo e nem sou eu que digo isso mas uma das principais autoridades em marketing do mundo.

Por outro lado os empresários que sacaram rápido as mudanças nadaram de braçadas. Há 5 anos era muito mais fácil conseguir curtidas no Facebook do que hoje. Os principais nomes do youtube de hoje começaram há pelo menos cinco anos.

Assim também foi com os influenciadores digitais. Quem começou mais cedo conseguiu os melhores frutos. Aprendeu. Agora quem vai entrar em 2018 vai pegar um mercado mais forte e profissionalizado. Passou a fase do aprendizado.

Pode ser modinha alguns formatos ou práticas que se usa. Mas anota aí cada vez mais os consumidores vão buscar uma terceira fonte de informação para tomar decisões de compra. E essa terceira via está na mão dos influenciadores.

Você não entender que o mercado mudou e o jeito que o consumidor toma suas decisões mudou muito é uma miopia fatal para o seu negócio.

Vai ter ainda mais gente produzindo conteúdo e virando “influenciador digital”.

São mais de 12 milhões de desempregados no país, muitos desses leem em algum momento que, por exemplo, os youtubers podem ganhar milhões de Reais. Eles também olham seus influenciadores preferidos no Instagram ganhando presentes, viagens, mimos e pensam “por que não eu?”.

E sim, por que não?

Então cada vez mais gente vai ver nisso uma oportunidade de se tornar influenciador. Sabemos que não é fácil – mas também ser jogador de futebol, modelo, atriz não é – mas é uma nova oportunidade para muita gente. E sim dessa nova leva pode surgir gente boa e legal.

E falando por experiência própria: muitos jornalistas tem me preocupado perguntando como fazer essa espécie de transição para o ambiente digital. No final do ano a Editora Abril demitiu 100 funcionários e a estimativa é que pelo menos 20 fossem jornalistas, mas esse número poderia chegar a 50.

É natural que muitos desses profissionais cansados de um setor cada vez mais competitivo e com menos vagas busque novas oportunidades no digital. E com certeza também tem gente boa vindo aí.

Isso vai trazer um desafio enorme para as empresas buscarem realmente vozes autênticas e que possam dar credibilidade e gerar negócios para as suas marcas. É muita hora de trabalho, muito estudo e pouca experimentação.

Por outro lado quem começar a criar conteúdo em 2018 vai enfrentar desafios. O primeiro é que já pega um mercado ultra povoado em que é muito difícil se destacar. Todo mundo que trabalha seriamente com o Instagram hoje sabe a dificuldade que é construir público. Quando tinha menos gente era mais fácil.

Outra coisa é que muitos influenciadores estão um patamar acima na profissionalização de seus negócios. Emitindo Nota Fiscal, contando com escritórios sérios que fazem seu agenciamento. Não dá mais para chegar cru nesse cenário.

Criar um blog do zero no Blogspot ou WordPress.com, uma fanpage e ir galgando audiência aos poucos é um negócio que pode levar anos para acontecer. Então se não for um investimento profissional há uma chance de não dar certo.

Influenciadores Digitais em 2018 influenciadores digitais em 2018 -  - Influenciadores Digitais em 2018, anota aí: só vai aumentar
influenciadores Digitais em 2018

Já estamos em 2018 não há mais espaço para amadores

No final das contas seja para empresários, criadores de conteúdo para internet e profissionais que trabalham para marcas, quando o assunto é marketing de influência, não há mais espaço para amadores, nem experimentação.Há quem dê sinal para o bonde e há quem veja ele passar. Quem é você no ponto de parada?

influenciadores digitais em 2018 - pinit fg en rect red 28 - Influenciadores Digitais em 2018, anota aí: só vai aumentar

Leia também  Musical.Ly explode no Brasil

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.