Cabify se compromete em ter zero emissões de carbono em 2025 com a eletrificação progressiva da frota

Assine nossa newsletter

A Cabify, plataforma de mobilidade urbana, anunciou durante o discurso de Juan de Antonio (CEO e fundador da Cabify) na COP 25, a renovação do compromisso da empresa a compensar todas as emissões de carbono de sua operação em 2019 na Espanha e na América Latina e que, a partir de hoje, começará a reduzir 15% de suas emissões a cada ano. No ano passado, a Cabify deu um passo sem precedentes em seu setor, sendo a primeira plataforma a compensar 100% de suas emissões na América Latina e renova essa liderança pelo segundo ano consecutivo.

O fundador da Cabify compartilhou todos os detalhes sobre este projeto e outras prioridades estratégicas em um painel organizado pelo BID Invest, divisão de investimentos do setor privado do Banco Interamericano de Desenvolvimento, que tem uma aliança com a Cabify para promover o desenvolvimento em conjunto da mobilidade urbana na América Latina. Juan de Antonio explicou que “nossa estratégia de crescimento e liderança envolve necessariamente sustentabilidade financeira, social e ambiental. Para nós, é um dever renovar o nosso compromisso em ser a primeira empresa de mobilidade como um serviço a neutralizar suas emissões. Este é um dos muitos passos que estamos tomando para assegurar que tenhamos um impacto positivo nas cidades”. 

A empresa apoia dois projetos certificados pela First Climate para garantir a proteção ambiental na província de Madre de Dios da Amazônia. O programa oferece alternativas produtivas e treinamento às comunidades locais que, com sua presença, evitam o desmatamento devido à exploração ilegal de madeira, conservam a biodiversidade e protegem um dos sumidouros de carbono fundamentais para combater as mudanças climáticas. Juan ressaltou que “esses projetos e os títulos de remuneração gerados a partir deles são certificados por padrões internacionais como Gold Standard e Carbon Neutral Verified. Estamos impedindo que cerca de 5,3 milhões de árvores sejam cortadas, salvando do desmatamento aproximadamente 1.800 hectares de floresta nativa. Ou seja, cerca de 1.285 estádios do tamanho de Santiago Bernabéu”.

A compensação é somente o primeiro passo do plano de descarbonização da Cabify.  O ano de 2019 também foi importante para a promoção de alternativas de micro mobilidade elétrica 100% neutras, tanto na Espanha quanto na América Latina, operacionalizada pela MOVO. “Por meio desta subsidiária do nosso grupo, em muitas das cidades em que operamos já integramos esses veículos no aplicativo da Cabify, incentivando, assim, o uso deste modal totalmente elétrico”.

Além disso, a empresa continua desenvolvendo tecnologia para garantir maior eficiência do aplicativo com melhorias no processo de atribuição de rotas, usando dados em tempo real, reduzindo os quilômetros vazios, resultando em um impacto menor e melhorando a experiência oferecida aos motoristas parceiros e usuários.

Assine nossa newsletter

Alianças para eletrificação total

Para o plano de descarbonização, a entrada no mercado de mobilidade elétrica é fundamental para a Cabify e, portanto, paralelamente a esse projeto de compensação, a empresa espanhola planeja a transição progressiva para uma frota elétrica: “Hoje todas as rotas da Cabify são neutras em carbono e, agora, nos comprometemos a avançar para nenhuma emissão em 2025 com a eletrificação progressiva de frotas e serviços”, afirmou Juan de Antonio durante seu discurso na COP 25. “O projeto é bastante desafiador, pois depende da evolução da indústria automobilística e da facilidade de acesso aos pontos de carregamento. Esperamos que a realidade em cada uma das cidades em que operamos seja diferente”, completa Juan. 

O BID Invest trabalha como aliado da Cabify nesse desafio para facilitar a transição progressiva para uma frota elétrica. A amostra mais recente dessa aliança é a publicação de uma análise realizada pela EY sobre a presença e os desafios que o veículo elétrico apresenta no setor de “ride-hailing” na Cidade do México. A pesquisa contou com a participação de 200 motoristas para identificar as principais barreiras para a compra de um veículo elétrico, sendo eles: alto preço de aquisição, falta de informação e altos custos de manutenção. De acordo com as conclusões deste relatório, adquirir um veículo elétrico é, em média, 128% mais caro que um veículo de combustão interna.

Seguindo os insights do estudo, a Cabify se compromete a apoiar a transição dos seus motoristas parceiros para carros elétricos e afirma que está em processo de avaliação de diferentes alternativas que contemplam desde subsídios para redução de sua comissão, até aquisição de frota própria que pode ser utilizada em ciclos otimizados por diferentes motoristas da Cabify. A distribuição de riscos e responsabilidades em relação ao investimento total pode aumentar muito a acessibilidade ao veículo elétrico.

Sendo a primeira empresa do seu setor a aderir ao Pacto Global da ONU, a Cabify inicia 2020 focada em fortalecer seu compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e a Agenda 2030.

Assine nossa newsletter

Comentários estão fechados.