Corredor Ecológico e Alcoa Foundation celebram a plantação de 2 mil árvores na zona rural de São José

Assine nossa newsletter

O Corredor Ecológico do Vale do Paraíba realizou nesta última quinta-feira (25) a plantação simbólica de 2.550 árvores, de diversas espécies nativas da Mata Atlântica, no bairro Bengalar, em São José dos Campos.
A ação contou com o patrocínio da Alcoa Foundation, por meio do programa internacional Global ReLeaf, e busca o reflorestamento de uma área de 1,65 hectare às margens do rio Buquira, um dos afluentes da Bacia do rio Paraíba do Sul.
Na ocasião, dois gerentes da Alcoa do Brasil, Fabio Abdala (de Sustentabilidade) e Tatiana Bizzi (de Programas do Instituto Alcoa), acompanhados por trainees e por uma analista da empresa, estiveram na zona rural de São José. Assessor de Comunicação do Consórcio Tamoios, Marcos Elia também acompanhou a celebração.
Na propriedade rural que recebeu as mudas, encontra-se uma das nascentes do rio Buquira. Com o agravamento da crise hídrica e sem árvores, o pequeno curso de água ameaçava desaparecer e mal conseguia saciar a sede da criação de gados do Manoel Nunes, dono da área.
A partir do trabalho do Corredor Ecológico, Seu Manoel foi convencido de que a floresta, em pé, garantirá a permeabilidade do solo e qualidade e quantidade de água em sua propriedade, além de outros benefícios ambientais, ao contrário das práticas de desmatamento.
A iniciativa
Criada em 2007, a iniciativa Corredor Ecológico do Vale do Paraíba reúne organizações do primeiro, segundo e terceiro setores em busca de uma meta ambiciosa: reconectar, em 20 anos, 150 mil hectares de fragmentos isolados de Mata Atlântica em propriedades privadas e públicas.
Para isso, o Corredor desenvolveu a metodologia Linhas de Conectividade, que visa garantir o desenvolvimento e a perenidade das florestas a partir de um guia de reflorestamento que mapeou todas as áreas que precisam receber plantios, evitando assim que investimentos florestais sejam desperdiçados.
Entre os parceiros, está a Alcoa do Brasil, que por meio de um programa internacional da American Forests e da Alcoa Foundation, chamado Global ReLeaf, tem o objetivo de plantar 10 milhões de árvores até 2020. Para o Corredor, o programa destinou recursos para o plantio de 2.550 mudas nativas na Bacia do Rio Paraíba do Sul – ou seja, área da nascente do Seu Manoel.
União
Para consolidar e atingir a meta, o Corredor Ecológico conta com o respaldo e a expertise de renomadas instituições regionais e nacionais, que integram a Associação Corredor Ecológico do Vale do Paraíba. Entre elas estão a AMCE Negócios Sustentáveis, Banco Santander, Fibria, Instituto Ethos, Instituto Oikos, Fundação SOS Mata Atlântica, Pöyry, Promom Engenharia e PricewaterhouseCoopers (PwC).
Além delas, pessoas físicas e empresas podem fazer parte da iniciativa e ajudar um dos mais importante projetos de restauração da Mata Atlântica do Brasil. As contribuições e iniciativas de reflorestamento, além de proteger a Mata Atlântica no Vale do Paraíba, também ajudam a recuperar nossas bacias hidrográficas. Mais informações sobre o projeto podem ser conferidas no site http://www.corredorecologico.org.br .
FOTO:
Acima, da esq a dir: Fabio Abdalla, gerente de Sustentabilidade da Alcoa; Mariana Ferreira, coordenadora técnica do Corredor Ecológico do Vale do Paraíba, Tatiana Motta, diretora de Articulação e Comunicação do Corredor Ecológico; Tatiana Bizzi, gerente de Programas do Instituto Alcoa; Vitor Schipani, trainee da área de Energia da Alcoa; abaixo: Carolina Ferreira, engenheira ambiental do Corredor Ecológico; Deise Nishimura, analista de Sustentabilidade da Alcoa; Luana Magnani, trainee da área de Marketing; Maria Paula Ramos, trainee de Marketing da Alcoa; Ademilson Felix, diretor administrativo do Corredor Ecológico; e Julio Corrá, engenheiro ambiental do Corredor Ecológico.
crédito da foto: divulgação

Assine nossa newsletter

Comentários estão fechados.