Fui assistir "Nós", confira o que eu achei

Assine nossa newsletter

Sobre o filme “Nós”
(sem spoilers)

O filme sem dúvidas vale a repercussão toda que tem tido. Você vai lá esperando passar uns sustos e acaba descobrindo um filme que tem uma direção bem atípica.

Daria até pra colocar ele na categoria “cult” se não fosse o fato de optarem por explicar demais a metáfora por trás da trama. Aliás ela é tão óbvia que nem precisava de uma explicação tão didática que o filme apresenta. Assim como o plot twist do final do filme também que é de uma obviedade sem fim – isso porque o diretor optou por colocar uma pista muito mas muito manjada.

Assine nossa newsletter

A montagem do filme é um ponto alto, com imagens desconexas do começo do filme que vão se revelando até o final o que também mostra um roteiro que apresenta uma história com começo, meio e fim bem coerente. O filme é cheio de simbolismos e referências a filmes clássicos de Terror. Os atores também mandam bem em seus personagens e suas dualidades. De fato convencem nos seus respectivos papeis.

No final das contas o filme ao tentar uma hora abraçar uma hora o cult, na outra hora mastigar o roteiro (para ficar acessível, ou para ter certeza absoluta que a mensagem foi entendida do jeito que tinha que ser) acaba não colocando o pé nem lá, nem cá e isso acabou me incomodando um pouco.

O filme vale pelo show de imagens, direção e atuação bem como pela discussão que ele promove. Os sustos não vão matar você do coração e há poucas cenas realmente violentas – as vezes lembra alguma coisinha de Laranja Mecânica porém não tão cruel e nem tão profundo.

E por fim pelo visto o que me incomodou é o que pode ter funcionado, afinal a bilheteria e estreia do filme foi muito bem. Superando todas as expectativas, o longa arrecadou surpreendentes US$ 70.2 milhões em sua estreia nos EUA. O resultado representa a MAIOR abertura de um filme original live-action desde ‘Avatar’ (que estreou com US$ 77 milhões há 10 anos).

Dou oito tesourinhas e meio macacão vermelho.

Assine nossa newsletter

Comentários estão fechados.