Longa “Meu Tio José” está em cartaz na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo nos dias 21 e 24 de outubro

A animação “Meu Tio José”, dirigida por Ducca Rios, poderá ser vista pelo público nos dias 21 e 24 com júri popular, na 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, um dos principais e mais antigos festivais de cinema do Brasil. Nesses dias, acontecem as sessões presenciais do filme com votação popular. O projeto conta o assassinato de José Sebastião Rios de Moura, membro do grupo de esquerda “Dissidência da Guanabara”, que se responsabilizou pelo sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, em 1969, durante a ditadura. O público pode adquirir o ingresso no próprio site da Mostra. Por conta da pandemia do novo coronavírus a entrada nas salas de cinema só será permitida para pessoas que já tenham tomado as duas doses da vacina, ou pelo menos a primeira dose e que a segunda ainda esteja dentro do prazo. Além disso, é preciso estar de máscara durante toda a sessão e levar a carteira de vacinação ou apresentar o QR Code do Conecte SUS.

Com voz original de Wagner Moura, Tonico Pereira e Lorena Comparato entre outros talentos, a obra se inspira na história de vida do diretor para narrar, a partir do olhar de uma criança, Adonias, a trajetória do seu tio José, que participou junto a outros ativistas de esquerda do sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, em 1969. “É uma obra importante, cíclica. Começa num golpe e vai ser lançada durante um outro golpe. Ela toca as pessoas porque faz essa revisita, lembrando esse evento trágico da minha infância, que remete a tantas lembranças. Foi meu tio quem me ensinou a nadar, ele brincava muito comigo e com meu irmão”, conta o diretor. Aliando essas boas memórias afetivas ao trabalho com cinema, Ducca decidiu homenageá-lo com seu primeiro longa-metragem, chamando atenção para um crime até hoje sem resposta. “Tem muita coisa ficcional, usando a simbologia da época, como o próprio ato de ilustrar, de fazer um filme todo desenhado a mão, mas boa parte é baseada em fatos reais”, revela.

Historicamente, José permaneceu exilado durante dez anos, antes de retornar ao Brasil, onde foi morto em um crime com evidências fortes de motivação político-ideológica e que permanece sem solução. Na trama, o conflito principal se dá a partir de uma redação que Adonias tem que escrever na escola, mesmo dia em que seu tio sofre o atentado, em 1983, sendo depois levado ao hospital em estado grave. Daí em diante, Adonias tem que lidar com a tristeza de sua família, com as desavenças na escola e com a angústia de ter que cumprir a tarefa pedida pela professora. “Um dos atributos da animação é a possibilidade de revelar um drama com leveza. Meu Tio José se apropriou bem dessa particularidade e nos deixa atentos para o desfecho, cativados pela delicadeza da narrativa”, conta Aída Queiroz, Diretora do Festival Anima Mundi e apoiadora do projeto.

Com produção executiva de Maria Luiza Barros e distribuição no Brasil da Tucuman/Fênix, o longa já havia sido finalista no Festival Internacional de Cinema e Animação de Annecy, na França – o maior e mais importante do setor no mundo, onde concorreu na categoria Contrachamp e no Vancouver Independent Film Festival. “É uma obra política e histórica voltada para o público jovem. Um belo exemplo da criatividade que corajosamente permanece na animação brasileira nestes tempos difíceis”, conta Marcel Jean, diretor artístico do Festival Internacional da Animação de Annecy.

O longa também está competindo no Anima Córdoba, Argentina, e foi selecionado para o Festival Internacional de Cinema de Autor, na cidade de Rabat, no Marrocos, além do Festival Spark Animation, novamente na cidade de Vancouver, no Canadá, que é um dos poucos festivais credenciados a indicar filmes para o short list do Oscar. “Meu Tio José mescla de forma brilhante drama familiar, drama escolar e drama político para contar uma poderosa história de forma interessante, acessível e pungente”, conta a diretora do festival Spark Animation, Marina Antunes.

O elenco conta com grandes nomes do cinema como Wagner Moura, Tonico Pereira e Lorena Comparato, entre outros talentos. Wagner Moura, dá voz a José e se mostrou bastante receptivo com o convite. “Apoio, assino embaixo. Fico contente, ainda mais na linguagem que Ducca escolheu, a animação, pouco comum no cinema brasileiro, sobretudo no baiano”. Já Lorena Comparato encarna a professora Adriana, enquanto Tonico Pereira vive o diretor da escola. Na trilha sonora, cinco canções de Chico Buarque se apresentam desconstruídas e com uma roupagem rock’n roll em versões totalmente instrumentais, a não ser “Apesar de Você”, que ganha interpretação de Lirinha, vocalista do Cordel do Fogo Encantado, são elas: Roda Viva, Construção, Deus lhe pague, O que será e Apesar de você.

Sobre a Mostra:

A Mostra Internacional de Cinema de São Paulo é um festival realizado anualmente em São Paulo criado em 1978. O evento é a 45ª edição e é realizado pela Associação Brasileira Mostra Internacional de Cinema (ABMIC), e com reconhecimento da Federação Internacional da Associação dos Produtores de Filmes. Em 2021 acontece de forma híbrida.

Sobre Ducca Rios:

Ducca Rios é roteirista, diretor, ilustrador e músico. Graduado em Comunicação Social, Pós-graduação em Computação Gráfica e Mestre Políticas Sociais. Ele é Diretor Criativo na Origem Produtora de Conteúdo, já tendo dirigido diversas séries em animação para canais como Disney Jr., ZooMoo entre outros e também diversas séries documentais. Por seu trabalho, Ducca já foi premiado no Granimado, FICI e Mostra Internacional de Cinema Infantil de Florianópolis e no Vancouver Independent Film Festival. Meu Tio José é o seu primeiro longa-metragem.

Sobre Origem Produtora de Conteúdo:

Origem Produtora de Conteúdo é uma produtora baseada em Salvador. O DNA da empresa tem como principal característica o esforço criativo no desenvolvimento de projetos com grande qualidade técnica, que são, em sua maioria, séries em animação para a TV e filmes.

Entre os trabalhos desenvolvidos estão as séries em animação: “Tadinha”, “Bill, o touro”, “Turma da Harmonia”, “Fábulas de Bulccan”, “Tori, a detetive”, “Belatrix”, “Billy e Catarina” e “Lampz”. Além das séries documentais: “Saberes Passados”, “Quem foi seu mestre”, “Warlove”, “Bicos” e “Cícero”. A empresa coproduziu também a série ficcional “Frequência Positiva”, realizou o longa-metragem em animação “Meu Tio José”, “Revoada” (em pré-produção), os projetos de longa-metragem “Panglyn” e “A Lenda de Brave Lee”, além da co-produção com México para realizar o filme “La Marca Del Jaguar”, em pré-produção neste momento.

Comentários estão fechados.

Esse site usa cookie para melhor sua experiência Aceitar Leia mais

Nossa Política de Privacidade.