Tecnologia | Games | Filmes & Séries | Geek
Banner KTO

No Dia das Mães, Lifetime estreia a produção nacional Elas, Divinas

Do ponto de vista da antropologia, um recém-nascido se torna um ser social e ganha um espaço no mundo somente depois de receber um nome, um lugar na comunidade e um pertencimento, alcançado por meio dos rituais de nascimento.

E o documentário Elas, Divinas, uma coprodução com a Elo Studios, que o Lifetime estreia no domingo 12 de maio, se aprofunda nas histórias íntimas e poderosas de cinco mulheres de diferentes orientações religiosas. São elas: Elka Andrello, artista digital, uma das primeiras mulheres VJs do Brasil e budista; Fabiola Oliveira, professora, coordenadora de um centro de acolhimento materno que dá apoio à famílias com filhos neurodivergentes e muçulmana; Cláudia Alexandre, Doutora e Mestre em Ciência da Religião pela PUC-SP, Umbandista e candomblecista, e Sacerdotisa de Umbanda; a Judia e rabina Fernanda Tomchinsky-Galanternik, formada em psicologia pela PUC-SP, e rabina pelo Seminário Rabínico Latino-americano “Marshall T. Meyer”, de Buenos Aires; e Alexya Salvador, evangélica e a primeira pastora transgênero da América Latina.

Anúncios

Ao abordar as simbologias, significados e elementos envolvidos nos diversos rituais, a produção, dirigida por Tuca Paoli, dá uma visão panorâmica e emocional das interações entre cultura e fé; e presta homenagem à força feminina, reconhecendo-a como um pilar da sociedade e guardiã de um legado ancestral.

Apresentado por Juliana Wallauer, do podcast Mamilos, o documentário explora temas como valores, perspectivas maternas, pertencimento, aspirações humanas, simbolismos, fé, família, espiritualidade, amor e cuidado. Suas histórias são propositalmente entrelaçadas, permitindo que a audiência testemunhe os temas universais de amor, resiliência e crescimento espiritual que ultrapassam as fronteiras religiosas.

Elas, Divinas tem o objetivo de criar um espaço de reflexão e diálogo para promover a empatia, jogando luz sobre mulheres que, embora pratiquem religiões diferentes, estão unidas por seus papéis como mães, buscando um significado mais profundo”, afirma Karen Santiago, vice-presidente de Conteúdo do Lifetime. “E para nós é um projeto muito especial, pois traz histórias poderosas de personagens fortes, além de abordar maternidade e fé religiosa”.

Anúncios

Juliana Wallauer
É apresentadora de podcasts (Mamilos, Código Aberto e Gente) e sócia do portal de conteúdo B9. Juliana se define como “mediadora de conversas autênticas” e alguns dos debates que ela já promoveu passaram justamente pela temática da religião. Com um histórico evangélico e um irmão pastor adventista, hoje ela se considera ateia, mas sempre aberta para criar pontes, no lugar de provar pontos. Juliana é habilidosa em transitar por conversas de uma forma curiosa e respeitosa, além de leve.

As personagens

Alexya Salvador – Evangélica
Alexya é a primeira pastora transgênero da América Latina. Realiza seus cultos na Igreja da Comunidade Metropolitana, no bairro da Santa Cecília, em São Paulo, onde promove que as mulheres tenham a voz e o espaço que historicamente lhes foram negados pelas doutrinas cristãs. Outro marco na trajetória de Alexya é ter sido a primeira mulher trans a adotar crianças. A pastora também produz conteúdo para as redes sociais, em que promove sua fé e defende a comunidade LGBTQIA+.

Anúncios

Fernanda Tomchinsky-Galanternik – Judia
Primeira brasileira a receber a ordenação rabínica na Congregação Israelita Paulista. Formada em Psicologia pela PUC-SP, hoje é Rabina na Comunidade Shalom, em SP. Tem um olhar contemporâneo da mulher na tradição judaica. Mãe de duas meninas.

Cláudia Alexandre – Candomblecista
Doutora e Mestre em Ciência da Religião pela PUC-SP. Pesquisadora de tradições de matrizes africanas e manifestações culturais afro-brasileiras. É cofundadora e dirigente do CECURE – Centro de Estudos Espiritualistas e do Templo de Umbanda Liberdade Tupinambá Paulistana. Jornalista, sambista e mãe da Rubiáh.

Fabiola Oliveira – Muçulmana
É professora e coordenadora de um centro de acolhimento materno que dá apoio a famílias que têm filhos atípicos, faz conteúdo decolonial e fala do islã pela ótica feminina nas redes sociais. Filha de família católica, se entendeu muçulmana quando morou na Nova Zelândia e teve contato com o islamismo. Hoje é convertida, usa véu, roupas apropriadas e reza cinco vezes por dia. Casada com um muçulmano, tem dois filhos.

Anúncios

Elka Andrello – Budista
Artista digital e uma das primeiras mulheres VJs do Brasil. Pratica o budismo desde os 30 anos, quando disse ter ouvido um chamado espontâneo para buscar a espiritualidade. Desde então, morou sete anos em Monastérios no Rio Grande do Sul (3 Coroas), Himalaia e Nepal. Sua filha Graziela nasceu em um monastério budista no topo de uma montanha, no Rio Grande do Sul, e passou a primeira infância acompanhando a mãe em suas viagens.

Ficha Técnica
Apresentação: Juliana Wallauer
Direção e Edição: Tuca Paoli
Roteiro, Pesquisa e Edição: Mariana Palumbo
Produção: Sabrina Nudeliman Wagon, Ruben Feffer e Flavia Feffer
Produção Executiva: Jatir Eiró, UPEX
Direção de Fotografia: Thais Taverna

Classificação Indicativa: livre

Anúncios


Especial Dia das Mães –
Antes da estreia de Elas, Divinas, o canal exibe uma maratona com quatro Lifetime Movies sobre mães e maternidade, para tornar a data ainda mais especial. A partir das 16h, serão exibidas as produções Homem ao Mar, Colorindo Meu Mundo com Amor, Mensagem do Céu e Coisas Para Fazer Antes de Morrer.


Sobre o Lifetime

O Lifetime é a marca de entretenimento para a mulher. As histórias contadas são escritas, produzidas e protagonizadas por mulheres. Aqui a mulher é quem ela quiser e se distrai com séries e filmes que se conectam com suas emoções. Os Lifetime Movies contam histórias em que a mulher é representada, com o simples objetivo de divertir e distrair, com tramas repletas de dramas, mistério, histórias reais e muito suspense.

Comentários estão fechados.

Esse site usa cookie para melhor sua experiência Aceitar