“O Nivus chegou para fazer história”

Com design inovador e novos conceitos de conectividade e streaming, o Nivus é o primeiro modelo a ser inteiramente desenvolvido no Brasil e chega para fazer história. José Carlos Pavone, Gerente executivo de Design da América do Sul, conta, em entrevista, sobre os processos de criação, a parceria com a engenharia e com a matriz alemã e destaca os destaques de design.

O que é design para você?

Design é muito mais do que aparência. É uma forma de entender o mundo. Uma forma de encontrar soluções para uma série de desafios. Só que, para isso, nós precisamos ouvir, observar, pesquisar, compreender, conceber e testar. E repetir tudo isso quantas vezes for preciso. Criar um automóvel é design puro. É lógica e criatividade juntos para tornar a vida das pessoas mais fácil e mais bonita. O Nivus é tudo isso traduzido em um carro.


De onde veio a inspiração para desenhar um carro cupê?

A ideia inicial foi fazer um carro completamente novo nessas dimensões. Segundo, a gente observa o crescimento do segmento de SUVs cupê. Internamente, nós tratamos como a democratização de um segmento, ou seja, trazer um tipo de carroceria para um segmento um pouco mais compacto.

Terceiro, eu diria que, quando desenvolvemos um carro novo, nós olhamos o portfólio com um todo. Juntamos várias áreas da empresa, como estratégia, engenharia, marketing e design, para identificar onde a gente poderia colocar um tipo de produto novo. Nós já temos hatchbacks, temos sedans, temos SUV e colocamos um cupê agora nesse line-up regional.


Em quais pilares vocês se basearam para desenvolver o Nivus?

O Nivus foi desenvolvido sobre três principais pilares. O primeiro pilar é o da inovação. A gente queria criar um carro totalmente inovador. Não só em tecnologia, mas a ponto de se criar um segmento totalmente novo. O segundo pilar foi criar uma imagem de impacto. Tinha que ser um carro lindo, que fosse amor à primeira vista. O terceiro pilar foi o da praticidade. A gente queria um carro muito funcional, aliado a essa imagem de impacto, que tivesse toda a praticidade que as pessoas precisam hoje em dia.

Quais são alguns dos destaques do design do Nivus?

Eu acho que vocês já começaram a entender que a gente está falando de uma categoria completamente diferente. No frontal, a gente tem o típico DNA da Volkswagen. A gente tem os faróis conectados com uma grade bastante dominante e linhas marcadas no capô, que definem um caráter robusto ao carro. O Nivus foi desenhado a partir de linhas muito fluidas; e sempre pensando em praticidade, a gente conseguiu desenhar um porta-malas muito espaçoso e de fácil acesso. Na lateral a gente percebe um perfil cupê bastante característico. As proporções e os volumes definem um caráter atlético e moderno. O Nivus é um carro que nos dá muito orgulho e eu tenho certeza que ele chegou para fazer história.


Como foi o processo de escolha das cores e acabamentos do Nivus?

Carro tem que ter personalidade, e isso o Nivus tem de sobra. Ao mesmo tempo em que ele tem essa pegada esportiva e vibrante, também tem um caráter peculiar, que o torna um automóvel fora do comum. Escolher as cores e os materiais do Nivus foi uma responsabilidade enorme, porque nós precisávamos fazer jus a um projeto que começou revolucionário.

A busca por um design atemporal foi o que direcionou toda a escolha de cores e acabamentos. A escolha mais sóbria das cores foi proposital, que era para reforçar o caráter mais esportivo do Nivus. Todas as cores, texturas e pespontos foram pensados minuciosamente pelo nosso time.


Qual é a importância do protótipo em clay (argila sintética) no processo de criação de um novo modelo?

O design é um processo bastante digital, tecnológico, tridimensional e virtual. Porém, é diante de um modelo de clay, que é uma argila sintética, que a gente consegue provar que tudo o que foi feito virtualmente funciona na vida real. Por que essa fase aqui é tão importante no processo de design? Porque é aqui que a gente começa a entender o tamanho do carro, os volumes, as proporções.


Em relação ao design da cabine, o que o Nivus mostra que podemos esperar para o restante da linha Volkswagen?

Em termos de design, de DNA, o carro traz muita novidade e é um marco para nós – e a gente pode esperar que a partir desse momento ele pode inspirar os próximos modelos a trazer esse tipo de linguagem desenvolvida em outros tipos de proporção.


Como é a relação entre o design e a engenharia em um projeto como o do Nivus?

Inovação é algo que a gente persegue do início ao fim em um projeto como o do Nivus. E a precisão da execução, assim como o cuidado nos mínimos detalhes, fazem parte do nosso DNA. Em conjunto, nossos times de design e de engenharia realizaram diversas sessões de análise e discussão dos modelos virtuais do projeto. Esta sinergia entre a técnica e a criatividade é o que torna possível transformar todo um conjunto de ideias em realidade.

Esse projeto é o resultado de uma série de desafios superados. Eu vou dar um exemplo: ninguém tem ideia do quão difícil é fazer ou desenvolver os faróis e a lanterna de um carro. Por quê? Porque dentro de um espaço tão pequeno a gente tem que se preocupar com os dados técnicos que a engenharia nos fornece e a peça tem que ficar ainda bonita, atraente, atender às funções, à legislação e ficar nítida em qualquer distância.


Equanto à interação com a matriz na Alemanha e com os demais times?

Existe um processo de parceria muito forte entre os estúdios de design da Volkswagen e não foi diferente no desenvolvimento do Nivus. Há uma série de reuniões presenciais em São Bernardo do Campo (São Paulo), em Wolfsburg (Alemanha) e reuniões digitais. É um processo de parceria, eles nos dão várias ideias para desenvolver, há muita discussão e parte muito importante desse processo é, também, a execução das clínicas locais, que contribuem para desenvolvimento final do processo de design.

Comentários estão fechados.

Esse site usa cookie para melhor sua experiência Aceitar Leia mais

Nossa Política de Privacidade.