A tecnologia digital na escola: testamos o Chromebook Samsung

Assine nossa newsletter

O Chromebook é um notebook (ou um netbook se preferir) ultrafino e roda o sistema operacional ChromeOS (um Linux otimizado e um browser). Ou seja ele não roda Windows. Os benefícios é que o carregamento ao ligar é super rápido e ele praticamente não precisa de manutenção: nada de vírus, atualizações do sistema operacional ou dados corrompidos – quando há atualização do Chrome ele faz tudo sozinho. A desvantagem é que ele praticamente não tem utilidade offline – editor de texto e outros aplicativos do Google Drive funcionam sem conexão.
E por falar no Google Drive é bom lembrar que este computador foi feito pra rodar tudo nas nuvens então a integração com as ferramentas Google é perfeita, desde que você tenha uma conexão você leva seus arquivos para onde quiser.
Mas este é um equipamento pensando pela Google para fins educacionais. Nos EUA a venda por US$ 250 em média e no Brasil com preço oficial de R$ 1.100,00 (mas encontramos em pesquisas por cerca de R$ 900,00). Ele seria um intermediário entre o tablet e o notebook e uma opção interessante para o uso em sala de aula.
Será? antes de responder esta pergunta vamos às especificações técnicas:

Assine nossa newsletter
  • Tela de 11,6″ (1366 x 768)
  • 1,78 cm de espessura – 1,1 kg
  • Mais de 6 horas e meia de bateria 1
  • Processador Samsung Exynos 5 Dual
  • Armazenamento em nuvem de 100 GB no Google Drive2 com 16 GB de unidade de estado sólido
  • Wi-Fi 802.11 a/b/g/n de duas bandas
  • Câmera VGA
  • 1x USB 3.0, 1x USB 2.0
  • Porta HDMI
  • Compatível com Bluetooth 3.0™

O processador Exynos é o mesmo utilizado em muitos celulares, o que deixa o equipamento mais leve e nos nossos testes abrimos dezenas de abas sem muito sacrifício. A maioria dos programas disponíveis na ChromeStore são gratuitos e no nosso caso atenderam todas as demandas, mas não seria ruim se houvesse uma espécie de emulador Android. Na loja existem alguns softwares educacionais e com um pouco de esforço é possível encaixá-los em algumas aulas. A bateria duraria bem um período de 5 horas de aula sem precisar ser recarregado.
Chromebook na educação
Mas e no ambiente escolar ele é melhor que um tablet? Não achei.
No meu livro eu falo do porque sou entusiasta de tablets para alunos. Eles são leves, substituem facilmente dezenas de livros e eliminam a necessidade de uma mochila pesada. E a ausência de um teclado não chega a ser um problema para as gerações mais novas. Mas o grande problema que eu vejo é a ausência de boas conexões WiFi nas escolas. Mesmo com investimentos cada vez maiores das escolas não é uma equação fácil hoje colocar 1000, as vezes 3000 alunos numa conexão ao mesmo tempo. Imagine todos assistindo a um vídeo do youtube em algum momento nas salas.
Como os tablets tem mais funções on-line e mais aplicativos me parecem uma opção mais atrativa. E estes podem ser comprados no Brasil muitas vezes por R$ 300,oo em configurações mais modestas.
Já para os professores e escolas
A notícia que é até pouco explorada pela Google é que o ChromeBook me parece perfeito para o professor. Vejo colegas carregando pilhas de trabalhos e ainda pesados notebook para projeções de powerpoints ou vídeos pré-carregados. Neste aspecto um ChromeBook é perfeito e as professoras vão gostar do fato dele caber numa bolsa maior tranquilamente(bom usar um sleeve já que ele arranha muito fácil). Por ter o teclado, conexão HDMI e principalmente por ser rápido e leve é a opção perfeita ao educadores.
Se a escola for adotar a solução como tecnologia digital na escola para as salas ou professores a economia em softwares e manutenção é óbvia e percebida em poucos meses.
Conclusão
Se você quer usar um Chromebook na sala de aula, o uso para o professor é a melhor opção.
 

Assine nossa newsletter

Comentários estão fechados.

Esse site usa cookie para melhor sua experiência Aceitar Leia mais

Nossa Política de Privacidade.