Piticas planeja expandir para o exterior e geeks tem preferência na contratação

A Piticas é marca de camisetas licenciadas com estampas baseadas no universo de filmes, séries, animações, música e HQs, entre outros elementos da cultura pop. Eu estive no stand da empresa na última  Brasil Game Show  para entender um pouco mais das estratégias da marca, sua visão de mercado e perspectivas para 2018.
A empresa ocupou um imponente stand de 300 m² com diversas atrações para os visitantes. Entre as novidades apresentadas estampas de alguns dos jogos mais famosos do mercado, como Hearthstone, World of Warcraft, OverWatch, Street Fighter, Resident Evil e Minecraft.

No meio da correria toda e num stand lotado de pessoas comprando eu aproveitei para fazer uma entrevista com um dos sócios-fundadores da marca o Felipe Rosseti.
Num ano em que a política e o cenário econômico foram bem agitados eu comecei nosso papo perguntando se pra empresa 2017 foi um ano de crise. A resposta é de dar inveja para vários segmentos. “A gente não sentiu muito essa chamada crise. Como a gente trabalha com séries e filmes o nosso público é muito fiel e fanático. Então a gente tentou focar em todos os lançamentos que estavam acontecendo no ano o que nos fez crescer 18% em relação a 2016. Então realmente a gente sentiu pouco os efeitos da crise”, explicou.
 

Participação da Piticas na BGS

Ele também me detalhou um pouco mais sobre a estratégia da marca na BGS e se engana quem pensa que a resposta é só vender. Como o Felipe me explicou eles também buscam proximidade com o consumidor e construção de simpatia de marca.

“Mais do que venda ou lucro estar aqui na BGS é uma estratégia de marketing. A gente veio com um stand muito grande realmente esse ano pra criar brand awereness e fortalecer nossa marca. Ficamos do lado de grandes marcas e estar perto desse nosso público é muito importante. Nossa intenção é sentir o que eles acham das camisetas, sentir o que eles acham do produto. Conversando, a gente lançou algumas coisas já  exclusivas para BGS. E o fruto desse relacionamento e desse diálogo é o que será levado para os nossos Pontos de Venda criando de fato uma sinergia com o nosso público real. Nós queremos melhorar e aplicar isso de uma forma bacana.”

Aprendizagem da marca com o público Geek

Apaixonados, detalhistas e com forte apelo emocional. Palavra de um geek que se encaixa em todas essas descrições quando o assunto é definir o persona buyer no segmento de games. E será que a Piticas tem aprendido com esse público? Conta pra gente Felipe…
“!Nossa a gente aprendeu muito, sinceramente, se eu te mostrar as primeiras camisetas que a gente lançou e as de hoje não tem nada a ver. Foi uma mudança mesmo de cultura,  de empresa e eu venho desse mundo, eu gosto muito de filmes e séries, mas não tinha expertise em como fazer isso em forma de business e em forma de confecção – que hoje é o nosso forte. E a gente ouve muito os nossos clientes e isso nos dias de hoje é fundamental para qualquer empresa. A gente ouve o cliente, senta, absorve as críticas e tenta aplicar isso no nosso-dia-a-dia de algum jeito.”
Tanto isso é verdade que o Felipe me contou que uma grande mudança foi com a contratação de funcionários. Agora na Piticas ser geek é algo que conta no currículo. “Eu acho que uma coisa que mudou muito na empresa, por exemplo, foi a forma de contratação dos funcionários. Hoje quanto mais geek maior a chance de entrar na empresa. É o nosso critério maior: mais que experiência de mercado, mais do que idade, mais do que qualquer outra coisa. Você gosta de filmes? Gosta de séries? Isso é essencial.”

Quando as pessoas gostam do que fazem e sabem o que estão fazendo é muito mais fácil você encaixar isso pro consumidor final então isso é uma coisa que a gente tá focando bastante. Aqui é uma equipe que ama o que faz.

Felipe Rosseti – sócio-fundador da Piticas

 

Estratégia de expansão

Os números da Piticas hoje impressionam, Através do modelo de franquias a marca já está presente em todos os estados brasileiros em mais de 300 pontos de vendas. E pensa que acabou? Que nada! Assim como nos filmes de super-heróis nem o céu é o limite para o empresário. “Nossa intenção para 2018 é ir para fora do Brasil. Então vamos começar trabalhando primeiro países da América Latina e depois começar uma atuação na Europa.” finalizou Rosseti.
Pelo visto a frase icônica dos quadrinhos “para o alto e avante” parece fazer parte do DNA corporativo da empresa.

Blog do Armindo fez a cobertura da BGS 2017 com recursos próprios.

Comentários estão fechados.

Esse site usa cookie para melhor sua experiência Aceitar Leia mais

Nossa Política de Privacidade.